Mazda2 Bio Concept na corrida às tecnologias que podem mudar o Mundo

  • Alimentado a biodiesel, o Mazda2 Bio Concept é, essencialmente, um “laboratório sobre rodas”, capaz de explorar fontes de energia alternativas ao petróleo
  • O conceito integra-se na estratégia da Mazda de alcançar, até 2025, a neutralidade carbónica ao longo do ciclo de vida dos seus veículos

O sol começa a despertar no Fuji International Speedway, circuito onde decorre a “Super Taikyu Series Fuji 24 Hours”, segunda ronda da “ENEOS Super Taikyu Series Powered by Hankook”. Esta prova de resistência está, assim, a já mais de meio em termos de duração e o cheiro a óleo de cozinha permanece no ar, numa altura em que se começam a preparar os pequenos-almoços. Longe da imaginação da maioria, no interior da Boxe #27, os mecânicos da equipa Mazda Spirit Racing estão, também, a utilizar esse ingrediente, óleo de cozinha usado que é combinado com gorduras de microalgas, destinado a abastecer o veículo #55 que circula em pista.

A Mazda compete na classe ST-Q, reservada, em exclusivo, a veículos especiais não-homologados, uma categoria onde os construtores podem inscrever e testar veículos experimentais. No caso da Mazda, a opção incidiu no Mazda2 Bio Concept, um veículo 100% alimentado a biodiesel produzido a partir de óleos alimentares usados e gorduras de microalgas. Este evento não é, assim, apenas uma avaliação às competências dos pilotos e da estrutura Mazda Spirit Racing Team, é um teste que pode mudar o rumo a seguir no futuro da própria Mazda.

Embora o mundo esteja a transitar rapidamente para o conceito BEV[1], mudança em grande parte impulsionada pelo “European Green Deal”[2], que estabeleceu como objectivo o alcançar da neutralidade carbónica até 2050, entre as nações da UE, subsistem muitas questões relativas à prossecução de uma estratégia automóvel puramente elétrica. Por exemplo, a eletricidade utilizada para alimentar estes veículos é gerada a partir de fontes amigas do ambiente? Serão os materiais originais utilizados no fabrico das baterias sustentáveis e, também eles, amigos do ambiente? E quanto às nações onde a eletricidade não está ainda disponível de imediato para todos?

Estas e muitas outras questões merecem uma atenta abordagem por parte da Mazda. “Propomos uma abordagem de múltiplas soluções que permita oferecer diferentes tipos de propulsão, em função das políticas de cada país ou região”, refere Akira Marumoto, Presidente & CEO da Mazda Motor Corporation.

Assim, para além de disponibilizar o MX-30 EV no seu portfólio de modelos e de estar, continuamente, a desenvolver e a melhorar os seus propulsores e tecnologias em termos da sua compatibilidade com as infraestruturas existentes em todo o mundo, a Mazda encontra-se, também, a pesquisar potenciais fontes de energia alternativas ao petróleo.

A Mazda e os combustíveis ecológicos

A Mazda acredita, firmemente, no contributo positivo para a descarbonização da mobilidade através da utilização dos chamados e-fuels produzidos a partir de fontes de energia limpas, dado que estes são, também, 100% neutros em carbono. 

O seu desenvolvimento deve desempenhar um papel importante para facilitar a transição para uma mobilidade limpa até 2050, uma vez que podem proporcionar uma redução significativa das emissões de CO2 ao longo do ciclo de vida e uma operação neutra em termos desse mesmo dióxido de carbono, não só para os novos veículos eletrificados, como, em especial, para o parque automóvel existente, aptidão que nenhuma outra tecnologia pode proporcionar.

Além disso, os combustíveis ecológicos serão totalmente compatíveis e podem ser combinados com os combustíveis convencionais existentes em qualquer proporção, sendo que os irão substituir à medida que o volume de produção aumentar, o que facilitará a sua introdução no mercado.

Óleo alimentar usado e as gorduras das micro-algas

O Mazda2 Bio é uma vertente da abordagem multi-soluções da Mazda. Em 2018, a Mazda esteve envolvida no “Your Green Fuel”, projeto de um consórcio formado em Hiroshima entre a indústria automóvel, responsáveis académicos e organismos governamentais, e que resultou numa parceria com a Euglena, uma empresa japonesa que tem como objetivo a produção em massa de biodiesel de próxima geração, operando uma fábrica comercial a partir de 2025.

Designado de “SUSTEO”, o biodiesel de próxima geração da Euglena é produzido inteiramente a partir de produtos japoneses e é oficialmente reconhecido como gasóleo pelas Normas Industriais Japonesas. Consiste numa combinação entre petróleo e gorduras com microalgas Euglena e óleo alimentar usado. Esta é a chave para a neutralidade carbónica. Tal como sugere a designação "bio" na sua denominação, este tipo de gasóleo é criado a partir da utilização de biomassa, tais como plantas e microalgas. Dado que absorvem dióxido de carbono ao longo do seu crescimento, a quantidade total do mesmo na atmosfera é neutra quando se utiliza este combustível num veículo.

É também único na medida em que, ao contrário dos biocombustíveis convencionais feitos de milho ou de outras matérias-primas, não coloca problemas como concorrência entre bens alimentares ou a desflorestação. Outra vantagem do biocombustível de próxima geração é que pode ser utilizado por automóveis já hoje em circulação nas nossas estradas, utilizando as infraestruturas existentes.

Laboratório sobre rodas

O Mazda2 Bio Concept é, assim, um “laboratório sobre rodas”, tendo a marca optado por experimentar o novo combustível neste veículo de dimensões compactas, isto depois do sucesso em competição, na temporada de 2021, com recurso a um motor diesel Skyactiv de série, utilizado por uma equipa privada. Para a temporada de 2023, porém, a Mazda está a desenvolver um novo carro de competição baseado no Mazda3, dotado de um motor mais potente.

Os responsáveis pelo desenvolvimento do motor, que integram o Mazda Spirit Racing Team, estrutura de competição da Mazda, elogiaram a elevada qualidade do combustível biodiesel de próxima geração, afirmando que “Pode funcionar bem no motor Skyactiv-D atualmente existente, no que respeita, por exemplo, à adaptação do sistema de injecção de combustível.”

Com efeito, pode não demorar muito tempo até começarmos a ver nas estradas modelos Mazda com motores Skyactiv-D a biodiesel. É uma iniciativa ousada, mas perfeitamente enquadrada no espírito de desafio das convenções, que a Mazda sempre gostou de abraçar.

# # #

Legenda das imagens cedidas pela Euglena Co. Ltd.

Ref 1: Fábrica comercial planeada para produzir biodiesel de próxima geração em massa em 2025

Ref 2: As microalgas são cultivadas numa fábrica e combinadas com gorduras culinárias

# # #

[1] Battery Electric Vehicules / Veículos Elétricos a Bateria

[2] Pacto Ecológico Europeu

Conteúdos Relacionados

Mazda participou na “Super Taikyu Race” com um combustível biodiesel de nova geração Lisboa, 17/11/2021
  • O modelo de competição “Mazda Spirit Racing Bio concept Demio” cumpriu a “Super Taikyu Race” usando, em exclusivo, um combustível 100% biológico.
  • Os construtores Kawasaki Heavy Industries, Subaru, Toyota, Mazda e Yamaha anunciaram um compromisso na procura de novas soluções para produção, transporte e utilização de diferentes combustíveis, rumo à neutralidade carbónica.